quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Philipe de Araujo e a Saida do Armário - Livro



O Philipe de Araújo tem um VLog (Blog em Vídeo) no Youtube e publicou nesta semana um post especial sobre meu livro O Armário. Ficou muito bacana embora ele não tenha se aprofundado muito (e nem tem como se aprofundar em um post, justamente por isso ele é um livro! risos). Super recomendadíssimo. Edição perfeita. Para assistir, visite o link http://www.youtube.com/watch?v=tioFJ7OrCfk ou dê um play abaixo! :-)



Espero que gostem! Philipe, super obrigado! Ficou ótimo! Valew mesmo! E já recebi visitantes e novos leitores graças ao seu vídeo. Muito bom! :-)

Saindo do Armário



Leia a entrevista exclusiva que dei para o Blog Queer As Folk - Brasil sobre meu livro e a  "Saída do Armário". Para ler clique aqui ou, caso o link esteja fora do ar (pelo que percebi o link não é permanente), tem um espelho aqui:

http://fabricioviana.com/saindodoarmario

:-)

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Arnaldo Jabor ataca Skinheads - Inveja dos Homossexuais



"Amigos ouvintes, hoje eu falo para os canalhas, esses canalhas skinheads que estão atacando os homossexuais indefesos na Avenida Paulista, nas madrugadas violentas de são Paulo.Ouçam: vocês são uns covardes, vagabundos, vocês uns boçais que atacam nos homossexuais a miséria sexual que vocês têm dentro. Solitários, desamados por homens e mulheres, vocês tem ódio da liberdade dos gays, da coragem que tiveram de assumir sua identidade sexual. Vocês tem inveja deles porque não tem identidade alguma. Eles são muito mais corajosos que vocês que vivem trancados no medo e no ódio. Vocês invejam nos gays a sensibilidade que desenvolveram como minorias, sensibilidade que vocês nem atingem.Se vocês morassem no Irã seriam pelo apedrejamento da Sakineh. vão para lá! Vão para o Irã! O colega de vocês, aquela boneca reprimida, Armadinejad, disse que lá não há homossexuais.Ou então porque que vocês não vão atacar lá no Rio de Janeiro, na praia gay em Ipanema?Há um tempo atrás, um bando de pit boys resolveu bater naquelas bonecas malhadas fortíssimas de bigode. Eles souberam, ergueram a bandeira colorida e esperaram. Pra que? Deram tanta porrada nos playboys que eles acabaram chorando sentados no meio fio, eh... Viraram pit lulus.É isso tenho saudades de Madame Satã, aquela grande bonecona guerreira, que chamava para o pau uma patrulha inteira da polícia especial e depois ia cantar num cabaré da lapa: Cadê Mimi cadê Mimi! Eh, é isso ai." (Arnaldo Jabor)

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Leia A Cama na Varanda


Não sei, nunca postei os livros que estou lendo ou que gostaria de ler. Uma vez, quando jovem, pensei em listar nomes em um caderno para que, depois de anos, desse uma olhada em quantos livros eu já tinha lido. Pura bobagem. O que importa é o que você aprende com eles, não a quantidade que você leu. Posso ler muitos e não aprender nada. Mas enfim, fato é que, alguns são realmente fundamentais. Esse ai, chamado "A Cama na Varanda", da Regina Navarro, faz parte daqueles que eu RECOMENDO e muito para todas as pessoas interessadas em Sexo e Relacionamentos (meu caso). Tanto que, entre vários títulos que irá para a "bibliografia" do meu próximo livro, este é um deles. Ja li e estou relendo. Assim como "O Mito da Monogamia" de David Barash e Judith Eve Lipton, "Amor e Sexo" e também o "Uma história de Amor com Final Feliz" ambos de Flávio Gikovate. Entre outros.

sábado, 27 de novembro de 2010

Claudia Wonder in memorian...



Com muita tristeza eu, e todos que a conheciam, recebeu a noticia triste de seu falecimento. Claudia Wonder, ícone da militância lgbt e do meio artístico, faleceu ontem com 55 anos de idade. Seus trabalhos e sua história é algo que realmente deixará saudade. Eu, francamente, nunca havia ido a um velório e, conforme me aproximava dela, sentia algo estranho. Como pode alguém tão cheio de vida, tão iluminada, ali, na sua frente, fria, imóvel... sem vida. Muito triste. Muito triste mesmo. Espero que sua memória fique viva para sempre em nossos corações. Coloquei alguns de nossos momentos (não tive tempo para procurar mais fotos) abaixo em forma de homenagem por seu rico trabalho... 



Direitos de Resposta: Chamei a Claudia Wonder e a Maitê Schneider para gravar um programa na RedeTV... as duas falaram muito bem...



Participação da Claudia Wonder no documentário premiado que produzi sobre os 10 anos da Parada Gay em São Paulo... para baixar o DVD completo gratuitamente, entre aqui: fabricioviana.com/nossoorgulho





Frase da Claudia Wonder no meu livro www.OARMARIO.com (desde a 2ª edição)... foi uma das frases escolhidas do meu site (tem outras aqui oarmario.com/fabricioviana.php ...

Wonder, descanse em paz...

:-(

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Homofobia na Avenida Paulista em São Paulo



Jonathan lauton Domingues, 19 anos e mais quatro menores entre 16 e 17 anos foram presos na Av. Paulista em São Paulo após atacarem e roubarem gays nas proximidades. Depois de presos todos foram soltos e respondem em liberdade. Segundo um dos advogados de defesa, um dos agressores foi simplesmente "paquerado" e isso resultou em toda a briga (desde quando uma paquera resulta em agressão e roubo?). Segundo a mãe de outro agressor, seu filho não faria isso pois ela mesma tem vários amigos homossexuais. Depoimento de uma mãe desesperada e que provavelmente não conhece tão bem seu filho. Afinal, como uma das testemunhas deixou bem claro, o rapaz gay estava andando na rua sem fazer nada para ninguém e foi abordado e agredido de surpresa, gratuitamente. Se isso não for homofobia, tentando destruir no outro aquilo que mais incomoda dentro de si, eu realmente não sei o que é psicologia e faço questão de rasgar meu diploma.


O que chama a atenção nisso é a intolerância, a impunidade e, principalmente, em saber que casos como este em São Paulo e em outros lugares acontecem com muito mais frequência do que imaginamos. Como eu vivo repetindo para jornalistas que me procuram, as pessoas acreditam que o mundo melhorou, que os gays estão mais livres para andarem nas ruas expressando sua sexualidade e por ai vai indo mas, no fundo, tudo continua a mesma coisa. Falamos mais sobre a homossexualidade, aparecemos mais, mas a mente das pessoas ainda são antigas e povoadas de machismo e preconceito (exemplo recente é o do reitor do Mackenzie publicar nota no site da instituição de ensino enfatizando ser contra a aprovação de lei que criminaliza a homofobia, até a OAB disse que a atitude é digna da Idade Média).


Enfim, vamos todos acompanhar este caso de perto e torcer para que a justiça seja feita.


quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Nostro Mondo reformada!



Todos os baladeiros que frequentam a noite gay com certeza já ouviram falar na boate Nostro Mondo. Considerada um verdadeiro ícone da noite paulistana, ela é rica em histórias e protagonizou alguns dos maiores eventos gays do país. Há 39 anos, o 'Castelinho da Consolação', como também é chamado, atrai um público diversificado para dançar em sua pista.

Antes de iniciar sua trajetória na noite, o local era um clube hétero, sem pretensão de ser um marco notívago. No entanto, quando a Condessa Monica (Clóvis) comprou o local na década de 1970, ela o transformou em um point glamoroso e elegante. Com ares teatrais e shows bem produzidos, o palco da boate foi o berço de verdadeiros ícones do transformismo.

A ex-Big Brother Dimmy Kieer deu seus primeiros passos com salto alto naquele lugar. Miss Biá, uma artista nata, trabalhou durante doze anos na casa, conquistando seu estrelato com shows memoráveis. "Era uma superprodução, cheguei a entrevistar Miguel Falabella, Wanderléia, Lucinha Lins, Paulo Autran, Claudia Raia, Raul Cortez e até mesmo Bibi Ferreira", conta a drag. "Era um lugar para ver e ser visto, fino, elegante e receptivo", reafirma Biá, ao falar com saudosismo sobre o tempo em que trabalhou na Nostro Mondo.

E é pensando no saudosismo de Miss Biá que DJ Gê Rodrigues e Igor Calmona, donos do DJ Club, Mini Club, lojas DJ Club de som e iluminação entre outros empreendimentos, estão no comando da Nostro Mondo e pretendem modernizar, mas também reavivar, a tradição de bons espetáculos e shows bem produzidos.

As mudanças estruturais são perceptíveis logo na entrada do clube: a fachada foi restaurada e a entrada voltou a ter os traços elegantes de outrora. Mas as modificações não param por aí. O sistema de iluminação foi alterado, assim como o palco e o equipamento de som, considerado um dos mais modernos entre as casas noturnas de São Paulo. Agora, além da pista principal com o palco, há também uma segunda opção para dançar: uma nova pista no térreo, intimista, em que os DJs tocarão flashbacks, house e muito mais.

Os clássicos shows aos sábados e domingos serão mantidos, aos sábados Frank Ross e aos domingos com Silvetty Montilla. Gê Rodrigues e Igor Calmona convidaram importantes personagens da noite para compor o line-up da nova era da casa. Entre eles, estão Renato Lopes, Oscar Bueno, Jean Tavares, Luca Lauri, Andrea Gram, Xavier, Ulisses Cavassana, Jac Junior, Marcelo Saturnino, Cris Vilela, Zuba entre outros. A Nostro também terá para essa nova programação de inicio três afters, 'o After da Nostro' e o estreante 'After XAROPE’, do renomado DJ Luiz Pareto e SUB After.

E durante a semana, a Nostro abrirá Espaço Cultural Nostro Mondo para exibições de peças teatrais (coordenado por Duilio Ferronato) e projeções cinematográficas (com programação de cinema, que será coordenada pelo crítico Christian Petermann), projeto de moda (coordenado por Marcelo Hirata) e bandas novas. Ou seja, o Castelinho da Condessa retornou mais imponente e completo do que nunca.

Dia 04 de novembro a partir das 23 horas, na festa de OPENING, estarão nas pick-ups os DJs convidados Ulisses Cavassana, Sérjô , Jac Junior , Oscar Bueno e Haroldo Pereira Jr e no palco Silvetty Montilla.

Comemorando Birthday Scorpions: Daniel Almeida, Ulisses Cavassana e Oscar Bueno.

Serviços:

Onde: Boate Nostro Mondo
O que: Festa Opening - dia 04 de novembro a partir das 23 horas.
Funcionamento: de quinta a domingo
Horários: de quinta a sábado das 23 horas até ultimo cliente.
Matine aos domingos: das 18 a  0hora
Quintas e sextas - Preços: R$ 15 de entrada ou R$30 de consumo com flyer –
R$20 entrada ou R$30 consumo sem o flyer
Sábado e Domingos - Preços: R$ 15 entrada ou R$30 de consumo
Afters - Preços: R$ 15 de entrada ou R$30 de consumo com flyer –
R$20 entrada ou R$30 consumo sem o flyer
Local : Rua da Consolação, 2.554
Jardim Paulista - São Paulo - SP
Infone: (11) 3338-0179
www.nostromondo.com.br

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

14/10 - Kadu Lago lança Confissões Ao Mar




Nesta quinta-feira, 14/10, tem o lançamento da nova edição do livro Confissões ao Mar do amigo Kadu Lago! Para participar mande um e-mail (agora mesmo!) para kadulago@gmail.com para poder entrar na lista vip. Não será cobrado nada na entrada e o livro custa apenas R$ 34,70. Para conhecer mais sobre o brilhante trabalho do autor, visite:

Blog do Kadu Lago
Twitter do Kadu Lago
PDF Confissões ao Mar - Release




Serviço:

Livro Confissões ao Mar de Kadu Lago
14/10 - Das 19 às 23horas
Cine Belas ARtes
Avenida Consolação n.º 2423

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Psicologia e Homossexualismo



A quantidade de psicólogos e psicólogas preocupados com as questões da homossexualidade tem sido cada vez maiores. Desde o lançamento da 3ª edição do meu livro http://oarmario.com, tenho recebido diversas mensagens parecidas com as da imagem acima. O que me chama mais a atenção é que muitos deles não são homossexuais, mas querem "entender" como "tudo funciona" justamente para prestar um atendimento de maior qualidade e eficácia. Isso me deixa extremamente feliz sendo que uma das críticas no meu livro é justamente esta: muitos psicólogos não entendem nada de sexualidade humana, muito menos sobre a homossexualidade. Parabéns para ela e para todos os colegas da profissão.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Fabrício Viana fala sobre Homossexualidade - Noticias e Mais



Aqui esta o vídeo da minha participação no programa de TV da CNT chamado Notícias & Mais sobre a homossexualidade. Ele foi ao vivo em 26/05/2010 por volta das 13h. Para assistir outros vídeos que participei, visite http://fabricioviana.com/videos

Alexandre e Heféstion de Edu Rodrigues




Em cartaz até 25 de Setembro no STUDIO 184, em São Paulo, a peça Alexandre e Heféstion de Edu Rodrigues.

Alexandre, o maior conquistador de todos os tempos nunca foi derrotado, a não ser pelas coxas de Heféstion.
Alexandre e Heféstion são homens. Dois homens que se amam profundamente. Um amor tão puro que não mancha a valentia e a virilidade de grande rei e guerreiro de Alexandre.
Como uma réplica do amor vivido pelo herói Aquiles e seu companheiro Pátroclo, Alexandre e Heféstion vivem uma relação pura, plena e poética.
Beijos, abraços e sexo, são manifestações do desejo, mas estão longe de poder representar o amor vivido por esses dois grandes guerreiros.
Eles cultivam um amor que vai além de qualquer desejo conhecido.
Semeam a cumplicidade, a intimidade, o discernimento e a sensibilidade.
Alexandre e Heféstion travaram longas batalhas, mas não permitiram que a distância e o desejo fossem o motor que move a sua história. E alimentaram a cada dia este sentimento.
Alexandre pode, em alguns momentos, ser destemido, corajoso, impulsivo, violento, o maior de todos os conquistadores.
Mas é acima de tudo humano e para ser assim manteve o amor próximo de seus olhos. E se deixou regular por ele, e foi nele que se refugiou quando precisou de segurança.
Mas como todo amor passa por provações e dificuldades, aqui ela se apresenta na figura de Roxana, esposa de Alexandre, uma mulher destemida e corajosa que enfrenta o poder de seu rei para separá-lo de seu grande amor.
Roxana é forte e decidida e para colocar um fim nesse amor de infância lança mão de uma vingança contra Heféstion e dá à história um fim trágico, mas que só reforça e comprova a força e pureza desse sentimento.
Alexandre e Heféstion é uma história de amor. Sem sexo, raça, cor, barreiras, é apenas o amor representado em sua forma mais sublime.


Serviço:

Alexandre e Heféstion
Em cartaz até 25 de Sembro
STUDIO 184
Praça Roosevelt, 184 - São Paulo / SP
Sábados as 21hs

=============================================================

PARTICIPE!


Quer ganhar um par de convites VIP para prestigiar a peça em 04/09/2010?

Visiste http://fabricioviana.com/teatro-homoerotico-alexandre-e-hefestion e participe!

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Marli Porto na CCNE



Minha amiga Marli Porto, autora do livro Uma Luz Para Davi, estará autografando seu livro na Comunidade Cristã Nova Esperança nesta terça-feira, dia 24/08/2010. Participem, comprem seu livro e leiam seu trabalho!

Se você é de outro estado e tem interesse na história (que narra sobre o amor entre dois rapazes, um é traficante barra pesada em São Paulo), visite este link: http://fabricioviana.com/romancegls-umaluzparadavi-marliporto-compreagora

Serviço:

Livro Uma Luz para Davi
24/08/2010 - A partir das 19:30
Autógrafos com Marli Porto
Comunidade Cristã Nova Esperança
Rua Amaral Gurgel, 292 - São Paulo / SP

domingo, 8 de agosto de 2010

Noite de Autógrafos - Livro sobre a Homossexualidade





Obrigado a todos os leitores e amigos que foram no Casarão Brasil, neste sábado, 07/08, prestigiar meu trabalho. Segue as fotos! Momento inesquecível... como muitos que virão pela frente... beijos a todos e uma excelente semana! :-)

Para quem não foi e quiser adquirir seu exemplar, entra no site www.oarmario.com e faça seu pedido...  não é vendido em livrarias... ;-)

Para ver mais fotos (não consegui colocar uma galeria aqui), visite o link:
http://fabricioviana.com/saopaulo

Abs,
Fabrício Viana



.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Livro sobre a Homossexualidade. Noite de autógrafos em São Paulo.

Agora sim, segue release oficial enviado para a imprensa! O restante é comigo... estou ansioso... vejo todos vocês lá... levem amigos, conhecidos, parentes... enfim, compareça... será neste sábado, 07/08... :-) Abs, Fabrício Viana
===============================================================================

casaraobrasil-logo

frente-casarao-brasil-foto

NOITE DE AUTÓGRAFOS COM O ESCRITOR FABRÍCIO VIANA NO CASARÃO BRASIL

Com o objetivo de ajudar as pessoas a entenderem mais as questões sobre a “saída do armário”, Fabrício Viana, bacharel em psicologia e idealizador de vários projetos como o portal Armário X, comemora com amigos e leitores o lançamento da 3ª edição de seu livro O Armário – Vida e Pensamento do Desejo Proibido no Casarão Brasil às 19hs neste sábado, 07 de Agosto de 2010.

Lançando em 2006 de forma independente, o livro O Armário já foi vendido para mais de 1.000 pessoas em todo o Brasil pelo site www.oarmario.com. Como é uma produção independente, Viana comemora o sucesso: “Poucos escritores independentes conseguem vender toda a primeira edição e nós já estamos na terceira! Temos que comemorar!”

Jornalistas, advogados, psicólogos, drag queens, amigos, blogueiros, twitteiros, portais e leitores já confirmaram presença com o autor. “No lançamento em 2006 as pessoas fizeram fila para comprar e receber um autógrafo, na época eu nem era tão conhecido assim, hoje em dia, depois de ter participações no Fantástico, Ana Maria Braga, Manhã Gazeta, entre outros, a quantidade de pessoas que conhecem o meu trabalho é bem maior, logo, tudo indica que muita gente deve comparecer nesta noite de autógrafos! O frio na barriga é inevitável!”, conta Viana.

Para prestigiar o autor e adquirir seu exemplar, que será vendido no local por R$ 34,00 (apenas dinheiro ou cheque), procure chegar cedo ao Casarão Brasil localizado na Rua Frei Caneca, 1057 em São Paulo.

Mais informações para a imprensa com o próprio autor em seu site pessoal www.fabricioviana.com ou em seu Twitter www.twitter.com/fabricioviana

Serviço:

Dia: 07/08/10 (sábado) às 19h.
O Armário – De Fabrício Viana
Lançamento da 3ª edição no Casarão Brasil
Valor R$ 34,00 (dinheiro ou cheque)

Local:
Casarão Brasil
Rua Frei Caneca, 1057 – São Paulo
11 3171.3739 – (próximo do metrô Consolação)
www.casaraobrasil.org.br


.

sábado, 5 de junho de 2010

Conheça os ganhadores do 10º Prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade

Direitos:
1 - Prefeitura da Capital e Governo do Estado de São Paulo pelos decretos 55.588 de 17 de março (estadual) e 51.181, de 14 de janeiro de 2010 (municipal), que dispõem sobre a inclusão e uso do nome social de pessoas travestis e transexuais nos registros municipais relativos a serviços públicos prestados no âmbito da Administração Direta e Indireta.

2 - Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT)
O tratamento igualitário a casais homoafetivos foi cláusula das negociações dos bancários frente ao sistema financeiro. A proposta de igualar os casais homo e heterossexuais foi aprovada nas assembleias realizadas por bancários em todo o Brasil, e entrou na pauta de negociação, para que os casais homoafetivos possam gozar dos mesmos direitos previstos na Convenção Coletiva e que já são garantidos para casais heterossexuais.

A ampliação da licença-maternidade para 180 dias para as funcionárias de todos os bancos e auxílio-creche/babá valendo para filhos de até 83 meses. Essas melhorias, obviamente, seriam estendidas também a casais formados por pessoas do mesmo sexo.

Apesar das lideranças sindicais entenderem que faz parte de sua luta incluir os direitos de LGBTs da categoria dos bancários, a realidade é muito mais difícil. Recentemente, o Banco Itaú demitiu funcionária que assumiu ser lésbica.

Ação de Comunicação:
Manual de Comunicação LGBT - (Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais).

A Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) lançou o “Manual de Comunicação LGBT”, que busca esclarecer as dúvidas dos profissionais de comunicação e da sociedade em geral sobre diversidade sexual e identidade de gênero.

O manual é voltado para profissionais, estudantes e professores da área de comunicação: jornalistas, radialistas, publicitários, relações públicas, bibliotecários, entre outros. O principal objetivo da ABGLT com esse lançamento é o de reduzir o uso inadequado e discriminatório de terminologias que afetam a cidadania e dignidade da população LGBT, seus familiares e amigos.

O manual busca ainda incentivar a produção de matérias, artigos, reportagens e entrevistas que tratem do respeito à diversidade sexual e justiça social e criar uma ferramenta capaz de auxiliar a cobertura jornalística com relação às temáticas LGBT. Ele possui também informações sobre as expressões técnicas de redação dos temas relacionados a lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais.

Saúde:
O Governo do Estado de S. Paulo pela criação do ambulatório de saúde integral de travestis

A ação inovadora promove um tratamento das especificidades dessa população de uma forma digna. Promove também a inclusão das travestis e transexuais no sistema de saúde sem a discriminação que sofrem cotidianamente na rede de saúde convencional. O ambulatório representa também um avanço no atendimento ao processo transexualizador.

Educação:
Escola Jovem LGBT, Campinas – Grupo E-jovem de Adolescentes Gays, Lésbicas e Aliados

Com uma verba de R$ 180 mil proveniente de um convênio entre a Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo e o Ministério da Cultura, o Grupo E-jovem de Adolescentes Gays, Lésbicas e Aliados, que tem sede na cidade de Campinas, pretende concretizar o projeto de implantação da Escola Jovem LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais).

Inicialmente com três turmas — com 20 alunos cada — o objetivo da instituição, de acordo com Deco Ribeiro, representante do grupo e futuro diretor da instituição, é valorizar e difundir a Cultura LGBT em cursos que são abertos a jovens homossexuais, mas também a heterossexuais e bissexuais.
As aulas têm foco em atividades artísticas, literárias e em diversas outras vertentes culturais. Entre elas, a criação de zines, revistas, produtos literários, dança, música, TV, cinema e teatro. Até mesmo performance drag está prevista para entrar na grade curricular. O projeto contribui para o aumento da auto-estima de LGBT ao valorizar seus hábitos, sua cultura e suas singularidades.

Imprensa:
Revista francesa TÊTU

A revista promove campanhas no mundo todo em relação à defesa de direitos de LGBT. Foi o meio de comunicação que mais lançou matérias sobre a violência contra as lésbicas da África do Sul, e a atuação de organizações lésbicas naquele país, que também serão premiadas. A Têtu alia cultura e entretenimento a uma ação de repercussões políticas profundas.

Ação Cultural:
Grupo Dignidade e Associação da Parada Paranaense pela restauração e digitalização da Coleção do Jornal Lampião da Esquina.

Um passo importante no resgate da memória homossexual brasileira foi dado pela Associação Paranaense da Parada da Diversidade em parceria com o Grupo Dignidade. O jornal "Lampião da Esquina", circulou entre 1978 e 1981 no Brasil da Ditadura Militar, tornando-se uma das mais importantes publicação do país, junto com o Pasquim, ao contar com um time de profissionais de renome como Aguinaldo Silva, João Silvério Trevisan e Darcy Penteado.

O projeto de restauração e digitalização foi realizado por meio de um financiamento do Ministério da Cultura e o material será disponibilizado para consulta no Centro de Documentação Histórica Professor Dr. Luiz Mott, localizado na sede da Aliança Paranaense pela Cidadania LGBT. A versão digital pode ser conferida no site do grupo Dignidade.

Literatura:
1 - Laura Bacelar pelo trabalho desenvolvido na Editora Malagueta.

Na América Latina inteira a Malagueta é a única editora L2L (sigla em inglês significando “de lésbicas para lésbicas”). A principal responsável pelo andamento da Editora Malagueta é Laura Bacellar, que tem larga experiência no mercado de livros em geral e uma atuação consistente junto às comunidades LGBT. Foi pioneira na criação da editora brasileira inteiramente dedicada a minorias sexuais, as Edições GLS, no início da década de 1990. É um projeto essencialmente comunitário. Se muitas mulheres gostarem de suas obras, comprarem os livros, recomendarem-nos às amigas e namoradas e ex-esposas, será possível sobreviver e continuar a publicar muitas autoras mais.

2 - O livro Na trilha do arco-íris: Do Movimento Homossexual ao LGBT, de Regina Facchini e Júlio Simões, da Editora Fundação Perseu Abramo.
Entre os principais desafios de um movimento de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT) mais organizado e visível, está o aumento da reação conservadora contra suas lutas. Este é um dos debates feitos no livro, que recupera a trajetória de mais de três décadas do movimento LGBT do Brasil.

Os autores descrevem o caminho árduo percorrido pelos LGBT do país e do mundo. O livro traça um panorama do ativismo americano e europeu, mas se aprofunda no movimento LGBT brasileiro. Cita a importância de grupos organizados e de ações políticas dos anos 1970 aos dias de hoje, a mobilização no Legislativo e no Judiciário brasileiros, analisa o impacto da aids e também das paradas do orgulho na luta contra o preconceito.

Os autores oferecem, ainda, um balanço das conquistas e desafios que se apresentam hoje para o avanço dos direitos de LGBT. Entre os desafios, destaca-se a legitimidade social que o preconceito homofóbico ainda tem no Brasil. É um livro que, sem dúvidas, colabora para ampliar o conhecimento sobre a população LGBT brasileira e sobre suas lutas.

Cinema:
1 - Quanto dura o amor, Roberto Moreira

Roberto Moreira estreou com o longa Contra Todos, em 2004, e com ele recebeu mais de 20 prêmios. Em Quanto Dura o Amor, Moreira fala de ilusões e fantasias amorosas vividas por personagens à deriva na cidade grande. A cidade de São Paulo é também uma personagem do roteiro de Anna Muylaert e Roberto Moreira. No elenco, Danni Carlos, Silvia Lourenço, Paulo Vilhena, Maria Clara Spinelli, Gustavo Machado entre outros.

2 – Do Começo ao Fim, Aluízio Abranches
Com estreia em 2009, o filme de Aluizio Abranches, Do Começo ao Fim é uma história de amor. A história de Francisco e Thomás e de sua família: Julieta, Alexandre e Pedro. Com uma narrativa particular o filme pretende contar a história de um amor incondicional como uma possibilidade, como um contraponto para um mundo cheio de violência, medo e intolerância. No elenco, Fábio Assunção, Júlia Lemmertz, Gabriel Kaufmann, Jean Pierre Noher, Louse Cardoso.

Documentário:
Curta-metragem: Bailão, de  Marcelo Caetano

Exibido: Mostra de Tiradentes, 44º Festival de Brasília
Sinopse: “Bailão”, retrata a memória de uma geração homossexual reprimida pela sociedade. O ponto de convergência das histórias de seus personagens é o Bailão, uma casa noturna no centro de São Paulo bastante conhecida por seus frequentadores que viveram sua juventude nos anos da ditadura ou antes, numa sociedade extremamente conservadora que os invisibilizava. A produção é marcada por depoimentos de pessoas que viveram essa época e que relembram suas histórias.

TV:
Minissérie: Ó Paí, Ó, da Rede Globo

Ó Pai, Ó' explora as ruas do Pelourinho, na quente Bahia, com personagens bem temperados, sensuais e afinados no humor. A minissérie gira em torno da vida dos moradores de um cortiço, onde a dona do imóvel - que fica no centro histórico de Salvador - é dona Joana, uma beata que não dá paz e cuida da vida de todos. Entre as personagens emblemáticas há a travesti Yolanda e a lésbica Neusão, que na segunda temporada da série desejaram formar uma família.

Propaganda:
Propaganda Colombiana da Corporácion Red Somos sobre a cidadania e os direitos LGBT

A organização colombiana Red Somos criou vários spots poéticos de propaganda para circulação na internet. Cada peça abordou de forma poética um dos direitos LGBT. Do direito das travestis à educação, ao direito ao trabalho para transexuais, a campanha promoveu a idéia da necessidade da inclusão dessas populações discriminadas. Na internet, a campanha teve repercussão e está fazendo diferença para LGBT na Colômbia, além de consolidar a Red Somos como umas das principais organizações do movimento naquele país.
http://www.youtube.com/watch?v=Fou3PhJRHfQ

Artes Cênicas:
Rosas brancas para Salomé, de Gladston Ramos, com direção de Nicole Puzzi e Julio Wargas, no Teatro do Ator

Salomé é uma travesti pioneira em São Paulo, tanto nos shows que fazia, quanto na luta pelo reconhecimento dos direitos das travestis. A drag queen Salete Campari, que a interpreta na montagem paulistana, diz que Salomé foi a primeira pessoa que ela viu no palco, o que influenciou muito sua carreira e disposição militante. O espetáculo beneficente visa a reduzir as dificuldades financeiras e de saúde de Salomé. A peça se destaca tanto pelo texto comovente como pela performance de Salete.

Internacional:
2- Associação GALA (Memória de Gays e Lésbicas em Ação) da África do Sul

Ao mesmo tempo em que a África do Sul é a única nação africana onde os gays podem casar e adotar filhos, é um dos países que mais agridem e violentam mulheres, principalmente as que se assumem lésbicas.

"Nossa sociedade machista acredita que violando uma lésbica vai fazer ela amar os homens! A prática é tão disseminada que deram um nome popular a ela: Patches", afirma Carrie Shelver da Associação POWA e vítima de estupro.

"Nossa Constituição é muito liberal, e isso é resultado do fim do apartheid, que disse que ninguém deve ser discriminado", disse Kamahelo Malinga, da Memória de Gays e Lésbicas em Ação (GALA), uma associação que congrega os arquivos da comunidade gay da África do Sul e procura defender as lésbicas vitimas de estupro. Mas entre a teoria e a prática, a margem é grande. E a homofobia ainda está presente na sociedade sul-africana, em particular nas cidades menores do interior.

Memória:
Paula Lira – Vítima de hemografia generalizada (Imperatriz - MA)

Travesti que militava na luta por direitos e cidadania das travestis no Maranhão, como coordenadora do GATTI (Grupo de Ativismo de Travestis e Transexuais de Imperatriz). Sua dedicação em favor da luta LGBT, esforço em participar das instâncias do movimento e promover ações em defesa de suas pares tem um valor inestimável e insubstituível para as travestis e transexuais do Maranhão que se perde com sua morte.

segunda-feira, 31 de maio de 2010

03/06 - Bistrot Piaf promove noite de autógrafos!

piaf


Bistrot Piaf recebe nessa quinta feira 03/10 a partir das 18:00 horas a escritora Marli Porto com seu romance gay Uma Luz para Davi e Anita Costa Prado, com a revista de quadrinhos lésbicos "O Preconceito é um dragão"

Serviço

Local: Bistrot Piaf
Horário: 18hs
Alameda Franca, 303 - São Paulo/SP

Convite para a cerimônia de posse do Conselho Municipal de Atenção a Diversidade Sexual de São Paulo.

dindry-buck


Dia 02/06 tem a cerimônia de posse no Conselho Municipal de Atenção a Diversidade Sexual de São Paulo, onde foram eleitos seus representantes:

Lésbicas: Débora Pereira e Hannah Korich
Gays: Dário Ferreira e Douglas Drumond
Bissexuais: Andre Pomba e Beto Sato
Travesti: Miriam Queiroz
Transexual: Thais Souza
Transgenero: Dindry Buck

Para participar, ligue 3113-9749 ou mande e-mail para cads@prefeitura.sp.gov.br

É isso ai! Parabéns para todos os eleitos! :-)

domingo, 30 de maio de 2010

Vídeo da Feira da Diversidade Sexual em Santo André...



O audio do vídeo ficou zuado. Mesmo assim resolvi subir algumas imagens da Feira da Diversidade Sexual em Santo André que aconteceu neste sábado (25/05). Parabéns ao Marcelo Gil e a Ong ABCDs! A Drag vencedora levou R$ 1.000,00 pra casa! :-)

quinta-feira, 27 de maio de 2010

01/06 - Irineu Ramos autografa seu livro A TV NO ARMÁRIO.

a-tv-no-armario-livroAs Edições GLS e a Livraria Cultura Conjunto Nacional (SP) promovem no dia 1º de junho (terça-feira), das 18h30 às 21h30, a noite de autógrafos do livro A TV no armário, do professor e jornalista Irineu Ramos Ribeiro. Fruto de ampla pesquisa sobre a cobertura dada pela TV à questão da homossexualidade, a obra revela como as emissoras ainda se pautam pelo preconceito. Ao mergulhar nesse universo, o autor analisa a programação das emissoras e mostra a dificuldade e os equívocos que ocorrem quando precisam lidar com as diferenças sexuais na TV. O evento acontece no piso térreo da livraria, que fica na Av. Paulista, 2073

Na obra, o autor analisa diversos aspectos do tratamento dado aos gays na programação humorística, em telejornais e em novelas, demonstrando as diversas formas pelas quais o preconceito é estimulado. Baseando-se no pensamento de Michel Foucault e noções da teoria queer, ou teoria do estranhamento, o autor comprova que a televisão brasileira acaba transmitindo valores negativos, depreciativos e caricatos no que se refere aos gays. “Está na hora de mudar de rumo”, afirma Ribeiro, lembrando que a mídia tem um papel determinante na formação de identidade.

O autor discorre sobre o limiar dos gêneros, abordando questões como ambiguidade, identidade, sexualidade e formas de pensar. Fala sobre o desenvolvimento das identidades sexuais “proscritas” no decorrer do século XX e as relações de poder na mídia televisiva. Faz um breve histórico do movimento homossexual no mundo e de algumas de suas lutas até chegar à década de 1970, quando o gênero passa a ter uma conotação social ampla. “O conceito de gênero se refere à construção social e cultural que se organiza a partir da diferença sexual”, revela o autor.

O livro traz ainda um breve relato histórico do surgimento da TV no Brasil e o levantamento da cobertura jornalística televisiva da Parada do Orgulho Gay de São Paulo. Em seguida, o autor examina alguns programas humorísticos que tratam o gay com escracho, um game show que perde a oportunidade de esclarecer que a diferença é saudável e uma novela que acaba apelando para o sentimentalismo na hora de retratar o amor homossexual. “Procuro demonstrar as sutis abordagens em que o preconceito é estimulado e impede a existência de um mundo onde a diferença seja respeitada”, explica o autor.

“Ribeiro tem a rara capacidade de expor as inclinações preconceituosas e reforçadoras de preconceitos que as emissões de TV disseminam em relação aos homossexuais sem cair na tentação de enxergar nisso uma conspiração dos setores dominantes da sociedade. Ele entende a dinâmica da indústria cultural e não a acusa de intenções diabólicas”, afirma Carlos Eduardo Lins da Silva, ex-ombudsman da Folha de S.Paulo, que assina o prefácio da obra.

O autor

Irineu Ramos Ribeiro é jornalista formado pela Universidade Católica de Santos (UniSantos), pós-graduado em História pela mesma instituição e mestre em Comunicação pela Universidade Paulista (Unip). É membro do Centro de Estudos e Pesquisa em Comportamento e Sexualidade (CEPCoS), organização não governamental ligada às questões de gênero e sexo. Integra ainda o Grupo de Estudos “Estética, Mídia e Homocultura” da Universidade de São Paulo (USP). Apresenta trabalhos acadêmicos em diversos congressos e simpósios nacionais e é palestrante da Coordenadoria de Assuntos da Diversidade Sexual (Cads), órgão vinculado à Secretaria de Participação e Parceria da Prefeitura de São Paulo, no qual desenvolve trabalhos de capacitação nas questões de gênero, sexualidade, mídia e educação com professores da rede pública.

Livro

Título: A TV no armário – A identidade gay nos programas e telejornais brasileiros
Autor: Irineu Ramos Ribeiro
Editora: Edições GLS
Preço: R$ 31,90
Páginas: 134
ISBN: 978-85-86755-57-6
Atendimento ao consumidor: 11-3865-9890
Site: www.edgls.com.br

Serviço

Noite de autógrafos do livro A TV NO ARMÁRIO
Autor: Irineu Ramos
Data: 01/06/2010 as 18:30h
Local: Av. Paulista, 2073

29/05: Anita Costa Prado, Marli Porto e Mariângela Bittencourt



Livraria HQMIX e a Editora Marca de Fantasia convidam para o lançamento da revista de quadrinhos "Katita - O Preconceito é Um Dragão", de Anita Costa Prado e Ronaldo Mendes no dia 29 de maio, as 19 horas e 30 minutos.

Na mesma noite, Mariângela Bittencourt vai lançar a 2ª edição do fanzine "Cirilo Rasga Beiço" e Marli Porto estará autografando "Uma Luz Para Davi".

Serviço:

Data: 29/05/2010
Horário: 19h30
Local: Livraria HQMIX: Pça Roosevelt, 142 - Centro - São Paulo - SP

Comunidade LGBT entregará praça revitalizada para o Centro de SP.

praca-darcy-penteado



A praça que homenageia Darcy Penteado (1926 - 1987), importante pintor, figurinista, coreógrafo, dramaturgo e ativista homossexual será totalmente revitalizada para os paulistanos no dia 29 de maio de 2010.

A iniciativa é uma parceria inédita, que conta com a colaboração da Secretaria de Participação e Parceria, Subprefeitura da Sé, Viva o Centro, Ação Local Ipiranga I, Coordenadoria de Assuntos de Diversidade Sexual, Conselho de Atenção à Diversidade Sexual e a casa noturna Love Story, farão o replantio e a conservação da praça.

O mutirão organizado pela comunidade LGBT trabalhará voluntariamente, limpando e plantando cerca de 2 mil mudas para presentear o centro da cidade com uma nova e reurbanizada Praça Darcy Penteado. A ação faz parte das comemorações do mês do Orgulho LGBT e acontece no sábado a partir das 9h.

A inauguração está prevista para acontecer às 14h com a presença de artistas, personalidades, autoridades e as famosas drags de São Paulo que irão animar os voluntários durante todo o dia.

Quem quiser colaborar, será bem vindo. Faça parte dessa ação que tem como objetivo a conscientização ambiental e a construção de uma cidade mais inclusiva com a diversidade.

Serviço:

Dia 29/05/20010 - Início as 14hs
Av. Ipiranga com Major Sertório (em frente ao edifício COPAN)

Filme Bailão, de Marcelo Caetano, estréia hoje em São Paulo!

bailao-abcbailao-filme



É hoje, entrada franca em SP de um vídeo que nasceu premiado! Segue texto do amigo Ricardo Aguieiras (que terá um trio na Parada de São Paulo chamado "Gays Idosos também são muito Gostosos" - E alguns são mesmo!! kkk E é claro que eu estarei lá para prestigiar!!):

"Bailão, o belo curta – e já muito premiado! ( http://filmebailao.wordpress.com/) – que participei com depoimentos, terá sua pré-estréia em  São Paulo, no Espaço Unibanco Augusta e eu adoraria ter a presença de tod@s! Será no dia 27/05, quinta-feira, às 21:30 horas, entrada franca,  na Sala 4. Marcelo Caetano, ele é o talentoso diretor que saiu percorrendo Sampa e traçando paralelos entre os sentimentos dos gays idosos entrevistados e a essência da cidade. Trata-se de preservação da memória da homossexualidade e de um novo olhar, em profundidade,  aos que ajudaram a construir a nossa história. Ele já havia dirigido um outro curta premiado “A Tal Guerreira” sobre a grande cantora já falecida, Clara Nunes.  Para contar a história, o diretor acompanhou um grupo de umbandistas de Sorocaba, que cultua Clara com romarias anuais a seu túmulo. Eles também conservam um templo colorido em sua homenagem. Em paralelo, o vídeo acompanha uma travesti que incorpora a cantora em uma boate gay. O diálogo entre o Templo e a travesti é o fio condutor da produção. Tive grande prazer em colaborar com o filme Bailão, contando das minhas experiências de vida, do início da militância no Grupo Somos, em 1978, mostrando os antigos (alguns que nem existem mais, tristemente…) lugares de frequência gay em Sampa, onde aconteciam as paqueras, as pegações e, por que não, o amor. Quantos relacionamentos que tive e presenciei começaram assim; sonhos e propostas de vida, queríamos revolucionar o mundo e, em parte, a gente se encantou e conseguiu, o arco-íris já é nosso mas não achamos ainda o pote de ouro. Revi pessoas que caminharam também nessa luta e também colaboraram com belos depoimentos, sobreviventes de umas época onde sonhar ainda era possível. O ápice do filme é uma festa na boate ABC BAILÃO, que fica na rua Marquês de Itú, aqui em Sampa, boate essa que acompanhou e ajudou a fazer toda essa caminhada, desde quando era chamada simplesmente de “HS”, uma abreviatura de “homo sapiens”. Neste triste país, infelizmente, a História é vilipendiada e a memória, além de não valorizada, é ainda estimulada para a queda no esquecimento. Isso no geral, imagine então o que ocorre com a Memória da Homossexualidade. Por isso, referenciais artísticas e criações como as de Marcelo Caetano são  imprescindíveis.  Levem a pipoca, seus olhares e corações para essa pré e depois me procurem. O Curta acaba de receber o Premio Cidadania, de melhor curta metragem, dado pela Associação da Parada – SP. Venham bailar com a gente!"

sábado, 22 de maio de 2010

I Feira da Diversidade Sexual em Diadema - 23/05/2010

I-Feira-Da-Diversidade-Em-Diadema-2010


Grito da Diversidade LGBT em Diadema. I Feira da Diversidade Sexual em Diadema. Participe! Shows de Silvetty Montilla, Suane, DJ D Boy, DJ André Turi e várias atrações... Pra quem vai de ônbius, pega algum que vai pro Terminal Diadema (do metrô Jabaquara sai alguns pra lá). A Praça da Moça fica próximo do Terminal Diadema de ônibus... ;-)

Data: 23/05/2010
Horário: Das 14h as 21h
Local: Praça da Moça - Diadema / SP
Realização: Ong Viva a Diversidade e Prefeitura de Diadema

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Fotos e vídeo da I Marcha contra a Homofobia em Brasília - 19/05/2010

I-Marcha-contra-a-Homofobia-011
A 1ª Marcha Nacional LGBT contra a Homofobia, realizada nesta terça-feira (19/05) em Brasília, reuniu cerca de 2.500 manifestantes - segundo a polícia - vindo de diversos estados brasileiros. O evento foi extremamente político (sem gogo boys, festa, música, etc) e cumpriu seu objetivo. Deu gosto ver que a Veja estava errada quando disse que a militância homossexual era assunto de pessoas com mais de 30 anos. Durante a Marcha tinha muitos jovens com bandeiras e cartazes e que ainda gritavam por leis e direitos.


Eu não sou mais jovem, mas um dia antes da viagem fiz questão de fazer um cartaz (foto acima) que vai contra o fundamentalismo religioso. É verdade, quem me conhece sabe que sou ateu mas, se "deus" existir, que ele perdoe parte de seu rebanho que condena e persegue - injustamente - os homossexuais, não aprovando as leis que garantem o seu bem estar dentro da sociedade. Fui muito elogiado durante o evento e hoje, ao ver o twitter e redes sociais, ele é um dos cartazes que mais "se espalha" na rede.

Eu só não gostei de duas coisas. Ter encarado a viagem de ônibus (é extremamente cansativo ir e voltar - ainda bem que a turma era super legal - adorei!! kkkk) e ter presenciado a equipe do Pânico na TV ser "expulsa" do evento. Os caras até que são bacanas e fazem um trabalho legal, mas não tinha nada a ver eles irem a uma manifestação extremamente política que luta contra a homofobia. O programa é de humor e a Marcha contra a Homofobia não tem nada de engraçada. Veja o vídeo que gravei abaixo.

Tirei muitas fotos. Todas estão no meu orkut e facebook (album fechado). Mas algumas resolvi dividir com vocês. Espero que gostem!






































Foto Primeira Marcha contra a Homofobia em BrasiliaFoto Primeira Marcha contra a Homofobia em Brasilia
Foto Primeira Marcha contra a Homofobia em BrasiliaFoto Primeira Marcha contra a Homofobia em Brasilia
Foto Primeira Marcha contra a Homofobia em BrasiliaFoto Primeira Marcha contra a Homofobia em Brasilia
Foto Primeira Marcha contra a Homofobia em BrasiliaFoto Primeira Marcha contra a Homofobia em Brasilia
Foto Primeira Marcha contra a Homofobia em BrasiliaFoto Primeira Marcha contra a Homofobia em Brasilia
Foto Primeira Marcha contra a Homofobia em Brasilia
Foto Primeira Marcha contra a Homofobia em BrasiliaFoto Primeira Marcha contra a Homofobia em Brasilia
Foto Primeira Marcha contra a Homofobia em BrasiliaFoto Primeira Marcha contra a Homofobia em Brasilia

O vídeo do Pânico é este aqui. É muita gritaria mas algumas coisas dá pra entender, como um dos jornalistas do Pânico dizendo que o trabalho é uma "brincadeira" mas que trará visibilidade positiva. Não sei como, mas ele prometeu fazer um trabalho legal. Vamos aguardar! :-)



Se quiser comentar também la no Youtube (já esta cheio de comentários, o link é http://www.youtube.com/watch?v=llhuPDnsVU0)

segunda-feira, 17 de maio de 2010

17/05 - Dia Internacional de Luta contra a Homofobia

dia-internacional-de-luta-contra-a-homofobia



Ter um blog e mostrar a sua foto e a sua vida, de forma militante, sem medos e receios, já é um grande passo na luta contra a homofobia. E, mesmo sendo uma atitude simples (das muitas que temos que tomar na vida real), pouca gente tem coragem de fazer isso... mas os tempos estão mudando... e as pessoas também...

Um salve para o Dia Internacional de Luta contra a Homofobia. Que, infelizmente, são todos os dias...

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Trio na 14ª Parada LGBT de São Paulo incentiva Jacareí

paradagay-jacarei

Jacareí, cidade vizinha e três vezes menor que São José dos Campos, vai realizar sua primeira Parada LGBT. Será a primeira a ocorrer na região do Vale do Paraíba, Litoral Norte e Serra da Mantiqueira. Para incentivar a iniciativa, a APOGLBT vai dedicar um trio elétrico aos militantes jacareienses na 14a. Parada do Orgulho LGBT de São Paulo. O objetivo é estimular a realização de novas paradas pelo país.

“Queremos incentivar que todas as cidades brasileiras façam a sua primeira parada”, explica Manoel Zanini, coordenador geral do 14o. Mês do Orgulho LGBT de São Paulo. Segundo ele, para o próximo ano, as cidades iniciantes de todo o Brasil poderão se inscrever para o trio de homenagem.

Em 2010, já são mais de cem paradas agendadas, sendo que Jacareí representará a nervosa primeira vez de cidades tão diferentes quanto Governador Valadares (MG), Vitória da Conquista (BA), Macaíba (RN), Magé (RJ), Rio Branco (AC), Mosqueiro (PA), Rio Verde (GO), Casimiro de Abreu (RJ), São Pedro da Aldeia (RJ) e Arraial do Cabo (RJ).

Poder da visibilidade


Luiz André Moresi, presidente da Ong Revida, achou “fantástico” o estímulo da APOGLBT, pela oportunidade de divulgação a um grande público da iniciativa de Jacareí, e, assim, estimular outras cidades a organizarem a sua parada.
“Resolvemos fazer a parada, porque consideramos fundamental para dar visibilidade ao movimento e lutar por direitos na cidade”, justifica Moresi, que se orgulha de poder dar o exemplo para outras cidades da região como a rica e “sem parada” São José dos Campos. Os joseenses vão se deslocar para a pequena vizinha no dia 27 de junho.

Ele conta, também, que Jacareí está crescendo e tem ambições cosmopolitas. Por isso, a parada vai provocar os moradores com o tema: “Jacareí contra a homofobia: cidade moderna é cidade sem preconceito”.

Jacareí é parte do conhecido “eixo religioso” paulista, que inclui cidades como Aparecida e Guaratinguetá, mas a parada terá o apoio institucional da Prefeitura com eventos culturais, infraestrutura e segurança. Jacareí, com seus pouco mais de 200 mil habitantes, espera reunir dez mil participantes, com um trio, drag queens e casas noturnas, além de realizar diversas atividades diferentes durante uma semana, como debates e exibição de filmes.

Contatos para entrevista:

Leandro Rodrigues,
Assessor de imprensa APOGLBT:
leandrorodrigues@paradasp.org.br
(11) 9790-8538

Manoel Zanini,
Coordenador geral do 14º Mês do Orgulho LGBT de São Paulo:
(11) 3362-8266

Luiz André Moresi,
Presidente da ONG Revida:
revida.org
(12) 9757-0686
(12) 3354-9800

10ª Feira Cultural LGBT recebe inscrições de expositores em São Paulo!

feiraculturalglbt-paradasp

Estão abertas as inscrições para expositores interessados em participar da 10ª edição da Feira Cultural LGBT – atividade integrante do 14º Mês do Orgulho LGBT de São Paulo – que ocorre em 03 de junho no Vale do Anhangabaú. São, ao todo, 73 tendas disponíveis para venda de produtos dos mais variados segmentos e o cadastro segue até o dia 23 de maio.

Neste ano, a Feira Cultural abre oficialmente a programação do Mês do Orgulho LGBT de São Paulo, que se estende até o dia 28 de junho. Dentre as diversas atrações que a Feira abriga estão as tendas de comércio, sendo 20 de alimentação e 53 de produtos em geral, como moda, assessórios, perfumes, artes plásticas, decoração, literatura, CDs e DVDs, artigos esotéricos etc.

Expositores e comerciantes interessados devem entrar em contato com Débora Carraro pelo e-mail feiraculturallgbt@yahoo.com.br ou pelos telefones (11) 7143-6041 e (11) 6505-3244 até o dia 23 de maio.

Sobre a Feira Cultural LGBT

Há 10 anos, tradicionalmente a Feira Cultural LGBT antecede a Parada do Orgulho recebendo cerca de 200 mil pessoas, oferecendo informação e entretenimento gratuitamente.

Além das tendas de comercio, ONGs e entidades de cunho social também estão representadas, prestando serviços e apresentando seus trabalhos. Há ainda tendas especiais onde são oferecidas oficinas culturais, de prevenção, cidadania e direitos.

Ocupando toda a extensão do Vale do Anhangabaú, neste ano a Feira conta com um grande palco – para apresentações de música, performances e artistas da cena LGBT – e uma pista coberta onde os principais DJs da noite de São Paulo se revezam nas pickups.

A 10ª Feira Cultural LGBT ocorre em 03 de junho (feriado de Corpus Christie), das 10h às 22h. Para conferir a programação completa do 14º Mês do Orgulho LGBT de São Paulo, cujo tema é “Vote contra a homofobia: defenda a cidadania!”, acesse o site www.paradasp.org.br.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Gays jovens e a matéria da revista Veja

revistaveja-Ser-jovem-e-gay-A-vida-sem-dramasPelo jeito já virei referência quando o assunto é "saída do armário" e suas derivações. Quando a matéria da Veja saiu "Ser jovem e gay - A vida sem dramas" (leia aqui) meu twitter lotou de mensagens citando @fabricioviana para que eu desse uma lida.

Antes, eu tinha lido uma nota do blog do André Fischer (leia aqui) e também um artigo do Marcelo Hailer (leia aqui)  algumas críticas sobre a matéria. Concordo com os dois em algumas partes. Afinal, também achei a matéria super positiva mas um pouco distante da realidade de grande maioria! Quando estudantes (geralmente de jornalismo) entram em contato comigo o assunto deles, antes mesmo de eu falar algo, sempre gira em torno do tema: "o preconceito não mais existe", "hoje está todo mundo se assumindo", "as coisas estão bem melhores do que antes", "o mundo é outro", e bla bla bla. Até eu me assusto. A impressão que dá é a de que, mesmo jornalistas formados e trabalhando em conhecidos veículos, quando aparece a pauta sobre a homossexualidade, eles começam a visitar vários sites, blogs e matérias na Internet, pegam um coisa aqui, outra ali e pronto: A VIDA É BELA E MARAVILHOSA! Todo mundo se assumindo, todo mundo mostrando a cara e por ai vai. Como o Hailer disse no texto dele, um adolescente de 14 anos se matou durante uma das matérias do Profissão Repórter no ano passado. Ele era gay e afeminado.

O que eu sempre digo é que as coisas mudaram mas não estão nem próximos do ideal. E por isso que os jovens não estão nem ai para a militância na parada gay, eles não tem nem ideia - e nem conhecimento intelectual - da sociedade como um todo. Como um antigo artigo do Gui Tronolone, a parada gay traz milhões a rua. Mas são milhões de "alienados" como a maioria da população. Logo, a matéria da Silvia Rogar e do Marcelo Bortoloti esta ótima em termos de visibilidade e positivismo (e é raro encontrarmos matérias assim, "positivas"). Mas isso ocorre a uma parcela pequena da população (e, geralmente, em grandes metrópoles).  Tanto que, dos 1.000 livros vendidos pelo site www.oarmario.com (meu livro sobre a homossexualidade e "saída do armário"), eu me recordo de apenas de dois ou três comentários positivos deixados no formulário de pedido. A maioria, esmagadora, eram de histórias sobre os dramas da vida homossexual! E de situações "dentro do armário".

Alias, eu achava que todos que lessem meu livro iriam optar por uma vida mais "liberta", se assumindo e vivendo 100% seus desejos e aspirações pessoais (lá eu não digo para se assumir ou não, mas mostro o "melhor caminho" com seus espinhos e flores). Mas nem assim esse lance de se assumir acontece com todos! E, claro, tem explicação: como eu disse a um paciente na época da faculdade (hoje eu não tenho consultório, trabalho na área de TI), não adianta nada você ter conhecimento intelectualizado sobre a neurose, conflitos internos, etc, pois SÓ isso não resolve! O lance é EMOCIONAL. Você com você mesmo! Um nó afetivo, por exemplo, só será desfeito após uma explosão emocional repentina e espontânea. Ou você consegue isso sozinho (praticamente impossível) ou com a ajuda de um terapeuta (por isso eles existem!).

Então, mais uma vez, o lance de se assumir relatado na revista Veja é ótimo mas esta bem distante da realidade de muitos! Suspeito, inclusive, que os personagens foram escolhidos a dedo. Mas enfim, vou ficar apenas com a imagem positiva que a matéria nos mostra. Mesmo porque, e me lembrei agora, daquele pai que deu uma arma para o filho (na Bahia) e disse: ou você vira homem, ou você se mata!

Sim, ainda temos muuuuuuuuuuuuito disso. Infelizmente.

Abs,
Fabrício

Ps: aproveitando o post e a referência do assunto (risos), coloquei - finalmente - os vídeos dos programas de TV (Ana Maria Braga, Mulheres Dez, Fantástico, Manhã Gazeta, etc) que fui falar sobre a homossexualidade e saida do armário no meu site pessoal, o link direto da página de vídeos é: http://fabricioviana.com/videos/

segunda-feira, 3 de maio de 2010

1ª MARCHA NACIONAL CONTRA A HOMOFOBIA

marcha-contra-preconceito-lgbt


A Direção da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais -ABGLT, reunida em 02 de março de 2010, resolveu convocar todas as pessoas ativistas de suas 237 organizações afiliadas, assim como organizações e pessoas aliadas, para a I Marcha Nacional contra a Homofobia, vinda de todas as 27 unidades da federação, tendo como destino a cidade de Brasília.

No dia 19 de maio de 2010, será realizado o 1º Grito Nacional pela Cidadania LGBT e Contra a Homofobia, com concentração às 9 Horas, no gramado da Esplanada dos Ministérios, em frente à Catedral metropolitana de Brasília.

Em 17 de maio é comemorado em todo o mundo o Dia Mundial contra a Homofobia (ódio, agressão, violência contra Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais – LGBT). A data é uma vitória do Movimento que conseguiu retirar a homossexualidade da classificação internacional de doenças da Organização Mundial de Saúde, em 17 de maio de 1990.

No Brasil, todos os dias, 20 milhões de brasileiras e brasileiros assumidamente lésbicas, gays, bissexuais, travestis ou transexuais -LGBT têm violados os seus direitos humanos, civis , econômicos, sociais e políticos. “Religiosos” fundamentalistas, utilizam-se dos Meios de Comunicação públicos, das Câmaras Municipais, Assembleias Legislativas, Câmara Federal e Senado para pregar o ódio aos cidadãos e cidadãs LGBT e impedir que o artigo 5º da Constituição federal (“todos são iguais perante a lei") seja estendido aos milhões de LGBT do Brasil.

Sem nenhum respeito ao Estado Laico, os fundamentalistas religiosos utilizam-se de recursos e espaços públicos (escolas, unidades de saúde, secretarias de governo, praças e avenidas públicas, auditórios do legislativo, executivo e judiciário) para humilhar, atacar, e pregar todo seu ódio contra cidadãos e cidadãs LGBT.

Participe!

1ª MARCHA NACIONAL CONTRA A HOMFOBIA
Data: 19 de maio de 2010
Horário: às 9 Horas
Local: no gramado da Esplanada dos Ministérios, em frente à Catedral metropolitana de Brasília.

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Quem é o zé-ruela da USP?

Joaozinho-Ze-Ruela-USP-Farmacia O Brasil ficou perplexo neste final de semana pela notícia do jornal O Parasita, assinado por alunos da faculdade de Farmácia da USP, ao incitar o ódio e a violência contra os homossexuais em uma de suas páginas.

Escrito por “Joãozinho Zé-Ruela“, o texto pedia para que os alunos jogassem fezes em um homossexual em troca de convites para uma festa. E, em outra parte, dizia que era absurdo a presença de homossexuais envergonhando a USP.

Ontem e hoje a imprensa caiu matando em cima deste ato preconceituoso junto com a Defensoria Pública, a Polícia Civil e vários militantes homossexuais. Todos querem “acusar alguém”. Achar um responsável. Mas neste sábado, acompanhando as matérias na TV e na Internet uma coisa ficou clara: O jornal não tem ligação com o curso, ninguém se resposabiliza por ele e pior, ninguém sabe (ou informa) quem são seus autores. Quem é o tal “Joãozinho Zé-Ruela” que incita a violência.

MAS QUEM É O JOÃOZINHO ZÉ-RUELA??

Esse é o ponto chave. Ninguém fala ou comenta. Mas é claro que os alunos da faculdade de Farmácia sabem sim quem são seus autores. Vão na TV e Internet apenas para dizer que são contra o preconceito e discriminação. Que tudo é – ou deveria ser – uma grande brincadeira. O problema é que, não dizendo quem são os autores – graças a amizade e companheirisimo, eles acabam consentindo com o preconceito velado. Imagina-se que foi uma brincadeira de mal gosto e que “seu coleguinha” aprendeu a lição e deve ser perdoado. Mas não. Tudo na vida tem sua responsabilidade e fazer uma besteira destas, também! Entregá-lo é um favor que fazem ao crescimento intelectual deste “infeliz”. Afinal, graças a mentalidade de vários “zé-ruelas” que temos por ai é que o preconceito e a discriminação contra homossexuais existe. E, a parte boa é que, mesmo que não falem, se o jornal foi distribuido pela Internet ele teve uma origem. E na Internet, por mais que você crie e-mails falsos ou faça uso de aplicativos para esconder esta origem, existem meios para que tudo seja rastreado e o acusado responsabilizado por seus atos.

Agora, o que mais me perturba nisso tudo é a “coragem” deste cara usar um nome fantasia “Joãozinho Zé-Ruela” para atacar o outro. Ele deve se sentir tão macho, tão homem, tao viril que precisa de um nickname para se esconder. Covardia pura não? Não tem peito suficiente para mostrar a cara e assumir o que fez. “Sou eu e pronto!“. E mais, indo além, ele poderia dizer “Sou eu e pronto! Não gosto de homossexuais porque, no fundo, tenho desejos homosssexuais e não sei lidar com isso. Por isso eu faço como muitos zé-ruelas, ataco no outro aquilo que mais me incomoda“.

Então, meu recado pra esse “Joãozinho Zé-Ruela” do curso de Farmácia da USP é: SE ASSUMA CARA! SAIA DO ARMÁRIO! Diga a todos que você é homem, porém, um grande frustrado por ser um cara enrrustido! Afinal, um cara que é heterossexual convicto não fica atacando homossexuais! Ele não tem tempo pra isso! Sabe porque? Porque ele, neste momento, esta namorando uma garota ou caçando alguma por ai…

Como cito no meu livro, aqueles que mais combatem a homossexualidade no outro, é porque tem os desejos reprimidos dentro de si. Vamos torcer para que este ai se assuma, seja feliz e pare de perseguir os homossexuais e a homossexualidade. E não só ele, mas todos os “zé-ruelas” que existem no mundo, até aqueles que, vez ou outra, entram no meu blog deixando comentários ofensivos achando que eu irei ler ou, até mesmo, aprovar e publicar.